Monthly Archives: Fevereiro 2010

Sexo Oral Contra o Tabaco

Embora normalmente o uso de imagens de cariz sexual tenha por objectivo aumentar a atractividade de um produto, neste caso o que se pretende é tornar o produto como algo a evitar. Esta campanha é promovida pela associação francesa Droits des Non Fumeurs e, supostamente, tem por objectivo afastar os jovens do tabaco.

Continuar a ler

Super Bock Stout: É Só Puxar

No meu último post – acerca do impacto do sexo na publicidade – escrevi que embora o recurso a imagens de cariz sexual em anúncios seja pouco mais do que o recurso a uma fórmula fácil, que esse uso “justifica-se” em determinadas categorias de produto em função do seu público-alvo. Não há produto melhor para isso do que cervejas, como a nova campanha de SuperBock Stout demonstra:

Continuar a ler

Sexo na Publicidade: Impacto Depende do Género do Consumidor e do Contexto do Anúncio

Já aqui abordei a temática do impacto do sexo, ou de imagens de índole sexual, na publicidade referindo estudos que apresentam argumentos contra esse uso e estudos que apresentam argumentos favoráveis a esse uso. Parece ser verdade que o recurso a imagens de cariz sexual aumenta o nível de atenção prestado a um anúncio, podendo servir de activador no processo de compra. Por outro lado, essas mesmas imagens não beneficiam positivamente o nível de recordação das marcas e produtos exibidos nesses anúncios. Mas o impacto das imagens sexuais sobre a eficácia da publicidade parece estar dependente de outros factores: o sexo da pessoa que vê o anúncio e o tipo de sexualidade apresentado.

É fácil estereotipar e dizer que as publicidades de cariz sexual têm mais impacto junto dos homens do que das mulheres. Os estudos referidos nos meus posts anteriores parecem ir de encontro a esta ideia. No entanto, isto não quer dizer que as mulheres não sejam afectadas por publicidade com conteúdo sexual, apenas que isso depende da mensagem que essa mesma sexualidade transmite: se o anúncio utiliza aquilo que se pode chamar de “sexualidade gratuita” (sem contexto e relação como produto e/ou marca) as mulheres respondem de forma mais negativa; já no caso em que os anúncios apresentam imagens de cariz sexual dentro de um contexto de intimidade e/ou relacionamento a resposta das mulheres é positiva. No caso dos homens o contexto da sexualidade tem um impacto menor.

Continuar a ler

TED Talk de Sendhil Mullainathan Sobre a “Irracionalidade” Humana

Esta apresentação de Sendhil Mullainathan ajuda a perceber o porquê de muitos problemas cuja resolução – científica ou tecnológica – já foi alcançada apresentam níveis de adopção inferiores ao esperado caso os seres humanos fossem exclusivamente “racionais” (aqui usado no sentido de homo economicus)

Como Aumentar as Gorjetas: Usar Maquilhagem

As gorjetas representam uma parte significativa da remuneração total dos empregados de mesa. Tratando-se de uma componente altamente variável e que está dependente tanto da performance dos empregados como – se calhar sobretudo – da “boa vontade” dos clientes, é natural que quem dependa de gorjetas para aumentar o seu rendimento mensal desenvolva estratégias que levem a um aumento no número de gorjetas recebidas, bem como no aumento do valor de cada gorjeta.

Uma dessas estratégias, pelo menos para o caso das senhoras, passa pelo uso de maquilhagem! O objectivo da maquilhagem passa por tornar quem a usa mais atraente, um efeito que tem reflexo no volume de gorjetas que as empregadas de mesa recebem da parte dos clientes masculinos, já que o uso de maquilhagem não parece ter qualquer efeito sobre as gorjetas dadas por clientes do sexo feminino.
Continuar a ler

Descontos: O que os Consumidores Querem das Marcas nos Social Media

Um artigo no site eMarketeer dá conta de dois interessantes estudos sobre os principais motivos pelos quais os utilizadores de redes sociais se associam a marcas: descontos ou negócios exclusivos! Os utilizadores destas plataformas não estão à procura de conversas ou de encontrar um lado humano nas marcas; procuram isso sim maximizar os seus proveitos obtendo informações ou benesses. Basicamente actuam como coleccionadores de cupões de desconto online.

Isto não quer dizer que a relação entre utilizador online e marcas se restrinja apenas e só ao aspecto utilitarista. No estudo mais recente citado, obter informação acerca de novos produtos e/ou serviços também foi destacado pelos sujeitos como uma aspecto importante para se tornarem fãs de uma marca no Facebook ou seguirem o seu perfil no Twitter. Há claramente espaço para uma maior interacção entre marcas e fãs para além da publicitação de negócios.

Continuar a ler