Impacto do Sexo em Publicidade (I): Argumentos Contra

“Sexo vende”! Esta é uma daqueles “verdades” que se enraizaram na memória colectiva que raramente é disputada. Toda a gente acredita que a apresentação de imagens de cariz erótico ou sexual ajuda a vender qualquer produto, até cogumelos! Basta ter uma mulher atraente (não deixa de ser curioso como raramente se trata de um homem) vestida em lingerie ou em poses provocantes que qualquer produto se irá tornar o desejo dos consumidores (particularmente os do sexo masculino). Acontece que as coisas não se passam bem assim!

De facto, o cariz erótico de muita publicidade ajuda a despertar a atenção dos consumidores o que representa um porta de entrada para a mente destes. Mas isso só por isso não leva a que o produto se torne mais popular do que o que seria se a aposta fossem em publicidade de conteúdo não sexual.

Os psicólogos Ellie Parker e Adrian Furnham testaram a premissa de que o sexo ajudaria a aumentar a recordação de determinados anúncios no seu artigo “Does sex sell? The effect of sexual programme content on the recall of sexual and non-sexual advertisements“. Num curto resumo, aquilo que foi testado neste estudo foi de que forma programas e anúncios de televisão com forte conotações sexuais afectariam o nível de recordação das marcas exibidas nos anúncios. Como medida comparativa foram usados programas e anúncios similares mas sem conteúdo sexual.

Os resultados demonstraram não haver qualquer diferença significativa entre o nível de recordação das marcas dos sujeitos que foram expostos a anúncios de conteúdo sexual relativamente aqueles que assistiram a anúncios sem esse tipo de conteúdo. Em suma, a associação das marcas a conteúdos sexuais não é garante de uma boa recordação das mesmas por parte dos consumidores. É até possível, embora aqui seja eu a especular, que as imagens de conotação sexual sirvam como distractores da mensagem que a marca procura passar resultando num menor impacto publicitário.

Muitos anúncios dão a ideia (que é para não afirmar com toda a certeza) de que que foram feitos com base na seguinte premissa: colocamos uns quantos modelos parcialmente despidos e arranjamos forma de introduzir para lá o produto e está feito! Este estudo deve fazer os responsáveis publicitários de marcas e agências pensar seriamente nos pressupostos benefícios que publicidade de conteúdo sexual pode representar para uma campanha.

Existem no entanto situações em que imagens de conteúdo erótico podem ser eficazes na promoção de um dado produto ou serviço. Amanhã exploraremos melhor os argumentos a favor do uso de conteúdo sexual em publicidade.

Advertisements

6 thoughts on “Impacto do Sexo em Publicidade (I): Argumentos Contra

  1. Pingback: Impacto do Sexo em Publicidade (II): Argumentos a Favor « Dissonância Cognitiva

  2. Pingback: Mais Provas de que Sexo Vende « Dissonância Cognitiva

  3. Pingback: Sexo na Publicidade: Impacto Depende do Género do Consumidor e do Contexto do Anúncio « Dissonância Cognitiva

  4. Pingback: Sexo Vende Tudo: até Manteiga e Seguros de Automóveis | Dissonância Cognitiva

  5. Pingback: Mulheres Atraentes Tornam Homens Menos Inteligentes | Dissonância Cognitiva

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s