Sinistralidade Rodoviária: Números que Não Contam Tudo

A época de Natal e Ano Novo tem sempre associada o espectro da mortalidade nas estradas. Todos os dias é feita a ‘contagem’ de acidentes e de vítimas mortais, comparando os números deste ano com os do passado para ver se há ou não melhorias. Felizmente este ano o número de acidentes e de vítimas mortais diminui face ao ano passado.

Ainda assim, a (in)segurança rodoviária continua a ser um problema sério em Portugal. O número de acidentes continua elevado, bem como o número de vítimas, mortais ou não. Pessoalmente olho sempre com desconfiança para estes números porque me parecem transmitir uma mensagem demasiado simplista da realidade.

Para começar, a não contabilização dos feridos graves que falecem mais tarde nos hospitais, ou mesmo a caminho dos hospitais, em função dos ferimentos resultantes dos acidentes é uma forma rude, e insultuosa, de camuflar os dados. Uma pessoa que faleça no dia seguinte a um acidente não é considerada uma vítima mortal, quando na realidade o é.

Um outro problema tem a ver com o facto de todos os acidentes ocorridos durante estes dias serem considerados como sendo resultado das deslocações habituais da época. O que é errado! Compreendo que seja difícil de distinguir as deslocações normais das pessoas das deslocações resultantes das festividades, mas para se ter uma visão mais correcta do que ocorre nesta época do ano é necessário procurar distinguir aquilo que ocorre como resultado da deslocação das pessoas para comemorar as festividades, e aquilo que ocorre como resultado do normal funcionamento das pessoas e da sociedade no dia-a-dia.

As ‘causas’ apontadas para os acidentes são outra situação que me levanta desconfianças. A condução sob o efeito de álcool é apontada quase sempre como o principal motivo para a sinistralidade rodoviária, mesmo que na realidade ‘só’ (o que não quer dizer que sejam poucos, antes pelo contrário) cerca 1/3 dos condutores vítimas de acidentes rodoviários conduziam sob o efeito do álcool. Isto significa que 2/3 dos acidentes se devem a outras causas. Não quero com isto dizer que não se deve continuar a combater a condução por parte de pessoas alcoolizadas. Acho que se deve fazer mais ainda. Agora não se pode, como a comunicação social portuguesa faz frequentemente, ignorar as outras causas e deve-se procurar actuar sobre elas.

Ainda a respeito deste dados relativos ao número de acidentes envolvendo condutores que conduziam sob o efeito de álcool, nunca é claro se os responsáveis por esses acidentes foram efectivamente esses condutores ou se, o que é perfeitamente possível, o acidente resultou de outros factores (um outro condutor que adormeceu ao volante por exemplo). Podendo parecer uma questão de pormenor, este era um dado importante para percebermos quais as reais causas dos acidentes.

Em suma, embora estes dados sejam úteis para termos uma visão geral da situação, não deixam de oferecer apenas uma visão parcial e reduzida da realidade. Se isso acontece por falta de melhores dados ou por falta de divulgação de dados mais exaustivos desconheço. Mas com estes dados nunca será possível actuar de uma forma aprofundada e a longo prazo sobre este assunto. É preciso saber mais acerca dos acidentes e, sobretudo, ter melhor informação que permita perceber – nunca será possível na totalidade – aquilo que realmente se passa nas estradas portuguesas.

Amanhã continuarei a escrever sobre este tema, focando-me na mentalidade dos condutores portugueses.

Anúncios

One thought on “Sinistralidade Rodoviária: Números que Não Contam Tudo

  1. Pingback: Sinistralidade Rodoviária: A Mentalidade de Fuga à Multa Portuguesa « Dissonância Cognitiva

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s