Agora Já É Passado: A Necessidade das Empresas de Monitorizarem as Notícias

Se mais exemplos fossem precisos os acontecimentos das última semana e meia vieram uma vez mais demonstrar que vivemos num Mundo hiperconectado em que o agora é cada vez mais curto. Os social media quebraram (quase) todas as barreiras comunicacionais e é cada vez mais difícil impedir que uma notícia não viaje pelo Mundo fora limitada apenas pela velocidade da ligação à Internet.

Isto exige que a capacidade de reacção e adaptação tem de ser imediata. Já não há tempo para planear, para ver como as coisas se desenvolvem antes de se responder. A capacidade de avaliação de uma situação e de decisão das escolhas mais acertadas – o que é diferente de escolhas certas – é algo que os profissionais actuais têm de desenvolver para poderem ‘sobreviver’ e evoluir no mercado laboral. E esta é uma realidade que não se reporta apenas aos meios noticiosos, emboram sejam estes aqueles que mais facilmente associamos a constante actualização e monitorização dos acontecimentos. Também as empresas têm de começar a perceber as vantagens de monitorizar os acontecimentos globais no sentido de evitar crises e/ou aproveitar ‘marés’ proveitosas.

A crise iraniana, a morte de Ed McMahon, de Farrah Fawcett e – o acontecimento de maior impacto – a morte de Michael Jackson criaram um verdadeiro furacão mediático que testou as capacidades dos principais jornais e sites noticiosos de se adaptarem minuto-a-minuto aos acontecimentos. Mas, centrando-me exclusivamente no caso de Michael Jackson, também estes acontecimentos testaram a capacidade das empresas de se adaptarem ao ritmo do Mundo.

No dia 26, através de um retweet do Miguel Albano, fiquei a saber que a morte de Jackson estava a ser usada para um esquema de spam. Pouco depois recebi uma sms da Optimus a promover um serviço de download de músicas do cantor norte-americano. E certamente outros exemplos haverá. Para muitos isto será um aproveitamento ‘vergonhoso’ da desgraça alheia; para outros, onde me incluo, é um bom exemplo de adaptação de uma empresa ou indivíduo ao ciclo noticioso. Mas ainda assim, é bom notar que a adaptação não foi imediata nem sequer por lá esteve perto. Entre o conhecimento da notícia e sms da Optimus passou quase 1 dia completo.

Mas outras empresas não foram capazes de responder à situação, como aconteceu com a FNAC. No dia 26 desloquei-me à FNAC do MarShopping à hora do almoço e não vi ser dado qualquer destaque à discografia de Jackson, pese embora estar a decorrer uma campanha de descontos em cd’s. No dia seguinte à morte do homem que lançou o disco de maior sucesso de todos os tempos, uma loja especializada não tinha qualquer destaque para o seu trabalho. Basta um visita à seccção de Music da Amazon britânica para ver que todos os tops estão dominados por Michael Jackson. É evidente que é mais fácil alterar algo online do que fisicamente, mas ainda assim parece-me que a FNAC, ou aquela loja em particular, perdeu uma oportunidade clara.

A lição a retirar de todas estas situações é que, hoje em dia, nenhuma empresa pode dar-se ao luxo de estar ‘desligada’. Estar atento ao mercado é uma necessidade cada vez maior quer online quer no ‘mundo físico’. As empresas que se souberem adaptar e desenvolver competências para responder com rapidez às exigências e variações dos focos de atenção dos consumidores serão aquelas que estarão em melhores condições para prosperar.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s