A Ciência da Persuasão: 6 Princípios Psicológicos

Há pessoas que parecem ter o dom de convencer os outros sem que tenham que se esforçar muito. São capazes de pedir favores, de efectuar vendas ou de angariar fundos com aparente facilidade. Para os restantes, aqueles que são persuadidos, tal capacidade parece quase que “mágica”, como fazendo parte da personalidade dessas pessoas e sendo por isso inatingível para os restantes. É por isso natural que muitas vezes se fale na “arte da persuasão”, porque a arte é algo que se desenvolve e cultiva mas que dificilmente se aprende. Anos passados em escolas artísticas não tornam qualquer um num pintor famoso; ou se tem arte, ou não se tem! Mas este pensamento aplicado à persuasão está errado! A persuasão não é uma arte, é uma ciência, ou melhor, um ramo de uma ciência que se chama psicologia!

Os processos de influência e persuasão já são estudados desde a Grécia Antiga, com a Retórica de Aristóteles como referência máxima, mas continuam ainda hoje a fascinar os investigadores na área das ciências sociais particularmente na área da psicologia social. Estudar os mecanismos que levam a que alguém esteja em melhores condições para persuadir, ou ser persuadido, tem sido preocupação de vários investigadores cujos trabalhos desmistificaram a ideia da persuasão como uma arte controlado por uns poucos, e a colocaram num patamar científico e disponível para ser aprendida por qualquer pessoa.

Um desses psicólogos sociais é Robert Cialdini, professor na Universidade Estatal do Arizona e presidente da empresa Influence at Work. Cialdini tem sido um dos investigadores mais envolvidos com as dinâmicas da persuasão e da influência social sendo um dos nomes mais respeitados a nível académico nesta campo. Este autor é sobretudo reconhecido pela sua definição dos 6 princípios base que estão por detrás de qualquer tentativa de persuasão, uma teoria que tem servido de pilar no qual o estudo deste tema se tem suportado nos últimos anos e que se encontra delineada na obra Influence: The Psychology of Persuasion
.

De acordo com Cialdini os 6 princípios da persuasão são:

  1. Reciprocidade – este princípio define que as pessoas estão mais dispostas a anuir com algum pedido quando algo lhes foi “dado” em primeiro lugar;
  2. Consistência – as pessoas sentem-se mais dispostas a actuar de uma certa forma se encararem isso como sendo consistente com o seu comportamento prévio;
  3. Autoridade – de acordo com este princípio, a autoridade ou perícia percebida do comunicador é um factor importante para que as pessoas se sintam dispostas a concordar ou fazer algo;
  4. Validação Social – quanto mais “popular” for percebido ser um comportamento, maior será a tendência para que alguém se comporte dessa forma;
  5. Escassez – a atractividade de um dado objecto/serviço/situação é inversamente proporcional à sua disponibilidade;
  6. Atracção – as pessoas estão mais dispostas a ajudar ou concordar com aqueles de quem gostam, têm uma relação de amizade, por quem se sentem atraídos ou consideram ser similares a si.

Todas as estratégias de persuasão de sucesso se enquadram num, ou em mais, destes princípios. Em posts futuros irei abordar mais cuidadosamente cada um deles.

Este post pertence à serie Princípios de Persuasão.

About these ads

21 thoughts on “A Ciência da Persuasão: 6 Princípios Psicológicos

  1. Pingback: Psicologia da Persuasão: A Norma da Reciprocidade « Dissonância Cognitiva

  2. Pingback: Como a Unicer usou a Norma da Reciprocidade para uma Acção de Caridade « Dissonância Cognitiva

  3. Pingback: A Norma da Consistência ao Serviço da Caridade « Dissonância Cognitiva

  4. Pingback: Psicologia da Persuasão: A Norma da Autoridade « Dissonância Cognitiva

  5. Pingback: Psicologia da Persuasão: A Norma da Validade Social « Dissonância Cognitiva

  6. Pingback: Psicologia da Persuasão: A Norma da Escassez « Dissonância Cognitiva

  7. Pingback: Psicologia da Persuasão: A Norma da Atracção « Dissonância Cognitiva

  8. Pingback: Psicologia da Persuasão: A Norma da Consistência « Dissonância Cognitiva

  9. Pingback: O Melhor de 2008 no Dissonância Cognitiva « Dissonância Cognitiva

  10. Pingback: Fraudes Financeiras: Uma Questão de Persuasão « Dissonância Cognitiva

  11. Pingback: O olhar de Bruno Ribeiro « O Peso e a Leveza

  12. Pingback: Dissonância Cognitiva: Os números de 2010 [Cortesia do Wordpress.com] | Dissonância Cognitiva

  13. Pingback: [Vídeo] Truques de Psicologia em Marketing e Publicidade | Dissonância Cognitiva

  14. chaw

    Legal gostei estou fazendo uma pesquisar pra universidade gostaria que vc me mandasse uns artigos sobre persuasão se vc puder me ajudar ficarei grato! chaw.
    ps. è uma pesquisa que vale ponto ! rsrsrs

    abraço!

    Responder
  15. Pingback: Truques de Psicologia em Marketing e Publicidade « o psysaudosista

  16. Bruno Rangel

    Meus parabéns aqueles que se propõe a estudar e,divulgar essas pesquisas pelo mundo.Eu também sou um leitor e gosto de me informar a respeito dessas teorias comprovadas. Ler um site que te ensine algo útil é sempre prazeroso.Esse outro modelo é do Dr Milton Erickson criador da associação americana de Hipnose,conhecida programação neurolinguística PNL

    Responder
  17. Pingback: Arquitetura de Informação

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s